segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Era saudade o que eu sentia. Mas era saudade de alguém que eu saibia que voltaria, e eu sabia que quando o encontrasse, tudo o que sentíamos um pelo outro estaria exatamente no mesmo lugar, talvez em proporções diferentes, proporções cada vez maiores. E não tê-lo por perto, era como se os dias se tornassem sem sentido algum. Eu sabia, que só precisava de uma carga, igual desses celulares, eu só precisava de uma carga dele pra que tudo voltasse ao normal. É, era pura saudade o que eu sentia, mesmo sabendo que "saudade não é tudo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário